Tristeza e alegria convivem no mesmo tempo e lugar, diz psiquiatra Daniel Barros

Especialista analisou como lidar com a ansiedade e depressão em meio à pandemia de Covid-19


O CNN Nosso Mundo desta sexta-feira (23) entrevistou o psiquiatra Daniel Barros, que analisou o impacto da pandemia de Covid-19 na população mundial e como lidar com a ansiedade e depressão nesses tempos.


No Reino Unido, pesquisadores da universidade de Oxford analisaram prontuários de saúde de 236 mil pacientes, a maioria dos Estados Unidos, e descobriram que 34% foram diagnosticados com problemas psiquiátricos ou neurológicos até seis meses após a infecção.


Entre os principais sintomas relatados no estudo apareciam depressão, ansiedade e pânico.


De acordo com a pesquisa, os doentes apresentaram 16% mais chances de desenvolver distúrbios psicológicos ou neurológicos após a Covid-19 do que outras infecções respiratórias e 44% mais probabilidade do que pessoas se recuperando de uma gripe.

Os cientistas alertam: "o vírus é uma ameaça direta ao nosso cérebro, e a luta contra o inimigo invisível promete ser longa".

"Tristeza e alegria convivem no mesmo tempo e lugar" Daniel Barros, psiquiatra

Segundo Barros, “a pandemia só potencializou problemas já esperados”. Para combater a tristeza provocada pelo grave momento vivido pela humanidade, o especialista recomenda buscar “ver o lado bom” das situações.

"A resiliência pode combater o esgotamento mental" Daniel Barros, psiquiatra

"Não podemos perder a humanidade para o vírus. (...) Se não pudermos mais rir, o vírus ganhou", disse Daniel Barros.


Daniel Martins de Barros é professor colaborador do Departamento de Psiquiatria da Faculdade de Medicina da USP e médico do Instituto de Psiquiatria do Hospital das Clínicas, além de doutor em Ciências e bacharel em Filosofia pela USP.

Ele foi entrevistado por Lia Bock, Thaís Herédia e Roberta Russo, e quem comandou a atração foi Luciana Barreto. O CNN Nosso Mundo é exibido às sextas-feiras, a partir das 22h30.


A CNN está no canal 577 nas operadoras Claro/Net, Sky e Vivo. Para outras operadoras, veja aqui como assistir à CNN. O programa também pode ser assistido ao vivo no site da CNN Brasil.

*Editado por Daniel Fernandes